quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

SOBRE O PEIXE

Oh mãe!!!!!!! Manheeeee.......mãe, olha!!!!!!!! Mãaaaaaaaaaaaeeeeeeeeeeeeeeeee!!!!! Oh mãe, eu tinha um peixe. Eu tinha um peixe que morreu afogado mãe!!!!

(...)

O meu peixe morreu de afogado, olha! viu só mãe? É sim, meu peixe e ele estava lá assim ó: paradinho paradinho
paradinhoparadinho paradinho entendeu? Poderia ficar ali parada por horas observando aquele aquario.....ai, já não lembro mais dessa parte não manhê. Era mesmo um aquário? Redondo? De vidro? Ah...não importa. Não importa nem se tinha água porque sabia mãe, um peixe pode morrer afogado de várias maneiras, não precisa ser com a água do aquario, pode ser afogado de saliva por exemplo...ou então de tanto chorar...quem sabe não se afogou tentando fazer xixi...quem sabe não foi numa chuva de xixi!!!!!! Numa inundação de xixiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Esses peixes não são mais os mesmos não manhê.

(...)

Não mãe, não era uma fruta. Não era uma truta! Mãe olha, era meu peixe entendeu?

(...)

Realmente acho que tenho certeza que os peixes não são mais os mesmos...olha lá mãe, eles ficam....ficam encarando a gente! Encaram a gente e com certeza tão falando mal...olha só pro tamanho da boca deles mãe!!!!! Deve caber tanto palavrão.....você não acha mãe?
(...)

Não gosto disso mãe. Oh mãe, já te falei, eu não goto disso! Definitivamente não gosto dos peixes e pronto!!!!! Nãaaaaaaaaaaaaaooooooooooooo gostooooooooooooooo!!!!!!!!!!!!!!!!!! Definitivamente O D E I O esses malditos peixes de aquario que ficam encarando a genteassim ó, assim mãe!!!!!!! Esses peixes que ficam de olho na gente, com esses bocões e andando de um lado pro outro do aquario, falando, olhando, pensando, querendo, nadando, comendo, olhando, olhando, olhando, andando, andando, andando. E só fazem isso........só fazem issooooooooooo!!!!!!!

(...)

(...)

(...)

Olha agora mãe, olha!!!! Manhê você viu? Viu? Parece que eles estão culpando a gente de matá-los afogados de vez em quando....... assim, bem de vez em quando não é?

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

O ANEL QUE TU ME DESTE

Confesso que sempre ficava "nervosa" com algumas brincadeiras infantis.....o tal do "passa anel" por exemplo! Ai se alguem colocasse o anel na minha mão................fazia de tudo pra não dar bandeira, mas meus olhos quase saltavam da cara.

E agora o que fazer se o anel que me passaste não é de plástico?

Continuo suando frio, meus olhos continuam quase saltando da cara...mas meu coração se acalma: eu sei onde está o anel!!!!
período de inbação

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

se todo paciente é aquele que se consulta com médico, eu é que não quero ser paciente. Problemas....pra que te-los? Se a paciência é ainda uma virtude, quero estar desvirtuada. Mas que nada,me falta só esperar...

terça-feira, 30 de setembro de 2008

O QUE ELA CANTOU COM LÁGRIMAS NAQUELA NOITE

Poderia ela gritar com sua garganta friamente rouca? Poderia pedir ajuda para alguém, pelo menos alguém, se ela alguém conhecesse? Se esse alguém se oferecesse? Poderia correr desesperadamente, batendo nos carros, esbarrando em pessoas apressadas, tropeçando nos próprios sapatos apertados que a essas alturas já esmagaram o passado assim como um fumante esmaga friamente a bituca de seu último cigarro? Poderia de repente parar naquele não-espaço e num lapso de segundos de seu-não tempo imortal olhar para o chão para ao menos ver o tamanho do buraco? Ou seria um poço?
Sim. Se pudesse voltaria! Jurava que voltaria! Preencheria calmamente todo aquele imenso vazio, todo mísero e ridículo silêncio daquele apartamento sufocante com a sua voz aguda e então, somente então cantaria aquela mesma canção mais uma vez, porém muito mais alto que antes. Exageradamente muito, mas muito mais alto que antes! Tão alto que já não se poderia mais ouvir nem mesmo aquele velho sinal que todas as noites insistentemente ressoava ardido em seus ouvidos obsecados por silêncio. Só assim seria feliz, se pudesse, se tivesse tal voz.
E no entanto ela espera...espera escutando a mesma música na tentativa de, se não cantar, ao menos chorar pois ainda assim acredita que o choro poderia ser uma forma tímida de voz, talvez a da sua alma, ou quem sabe a do seu coração...se é que ainda o tem por inteiro.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

casamos
apartamentamos
e nos apertamos

SOBRE O TEMPO





e se o tempo parasse
parasse para esse momento?
até pareceria parado
se parado parecesse
se parado permanecesse
apenas neste momento.
mas que chato seria
todo o tempo do mundo
pa
ra
do

alias, pra que que eu o quero parado
se eu sou a ampulheta?

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

RAIVA: RELVA RUBRA

uiva na noite e me rasga em vermelho.
rubra de raiva, revolvo-me na ruiva relva que é a minha cama.

acalmaria se me enraivessesse tudo de uma vez
e não aos pouquinhos,
aos pingos como duram estes dias...

portanto me enraivesso,
viro-me do avesso
desavença e arremeço
arremeço de raiva
raiva sem preço.




desculpe!

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

trabalho para não ter o trabalho de arrumar um trabalho.
será que mesmo assim estou trabalhando?

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

VOCÊ


e o que fazer se você me aparece

cada dia com uma flor

me pintando com a sua cor

tudo aquilo que eu chamo de amor?


e o que fazer se você me aparece

todo dia nos meus sonhos

afastando pesadelos enfadonhos

enchugando os meus olhos tristonhos?


e o que fazer se você me aparece

de madrugada querendo meus beijos

aumentando meus desejos

efervescentes como um alegre cortejo?


e o que fazer se um dia você não aparecer

nem de manha, nem ao entardecer?

pensar em te perder?

somente se um dia enlouquecer!





DA MINHA BOCA, UM POEMINHA BREGA DE AMOR


Da minima palavra se fez beijo

Da minima lágrima se fez sorriso

Da minha vida se fez festejo

segunda-feira, 7 de julho de 2008

O VÔO


como um suicída abro a janela da paixão

e me atiro sem medo, sem resseio

sem nem se quer olhar pro chão

pois se neste maravilhoso vôo morrer

podem dizer que foi do coração
tão mal te vi
tão bem te quero

sexta-feira, 27 de junho de 2008


e tocou tão bem meu coração que até acredito que você toque mesmo piano; essa tua melodia.... Por que você então não toca a minha campainha? Moço eu juro, não é engano não!!!

domingo, 22 de junho de 2008

PARA RICARDO

felicidade
n a
f e l i z
c i d a d e
e

s e
f e z
d e
l i s
a

f e l i z
i d a d e




segunda-feira, 9 de junho de 2008

TRAVALINGUA DE UM PALHAÇO




quanto mais sorrichora,
mais chorasofre.
se só sofresorrisse,
assim sorrisofreria
e sofrechoraria
chorasorrindo.

domingo, 8 de junho de 2008

NADA EN MI CORAZÓN

nado num mar de nada
nada de mar
nada de nado
nada de nada
inda tem gente que me diz: obrigado!
sou obrigada a responder: de nada!

A CANÇÃO RIDÍCULA QUE FIZ PRA VOCÊ

de que adianta tentar
se eu já pintei o muro do céu
se eu já tirei o meu chapéu
se você não faz o seu papel?

de que adianta acreditar
se já insisti e desisti
se nem mesmo eu percebi
que você não está nem ai?

pois é, caguei no maiô
é isso ai, caguei no maiô
você ri, mas eu caguei no maiô
que mais posso fazer?

eu vou pichar o muro do céu


quarta-feira, 4 de junho de 2008

REVER,
REVIVER,
RENASCER,
REAGIU.

REPARTIU.
RESSURGIU.
REVOLVEU,
REMEXEU,
RESPLANDECEU!

RESISTIRÁ?
REAFIRMARÁ?
REVELARÁ?

A DEUS DARÁ.
OH DEUS, OH SANTO DEUS
ME DÁ!!!!

segunda-feira, 2 de junho de 2008

SOBRE O QUE SE FOI, SOBRE O QUE FICOU

deixar-se ir não é partir, mas sim consentir. que se vá o que já se foi... e se um dia por acaso sem mais nem menos voltar, que não se parta em dois. que as folhas abandonem seus antigos e secos galhos, mas que novas folhas não possam ocupar o mesmo espaço, mas sim a semelhante beleza que preenche o vazio.

terça-feira, 27 de maio de 2008

naquele dia
tua mão fria
calorou alegria

sexta-feira, 23 de maio de 2008

na tua escala não tem dó
ecoa um si mas vai de ré
essa canção eu sei de cor
lá si fá e não dá pé

quarta-feira, 21 de maio de 2008

O QUE ELA, MENINA MÚSICA, ATUA EM MIM, ATRIZ

me toca
me troca
me retoca
quase que sufoca

sufoca ardente
numa batida quente
mais que de repente
e quase nem se sente

e só se sente pulsar
ouvidos e bocas a latejar
quando enfim se encontrar
o meu no teu olhar

sábado, 17 de maio de 2008

O QUE ELE, ATOR, ATUA EM MIM, A TUA

ele atua
eu, a tua
em mim atua e me atura


ele ator
eu atordoada
em mim a paixão atormenta


ele ensaia um romance
eu de saia tento a chance
em mim ensaio o encontro

MENINOS DO TREM II

Eu ando de trem
um, dois, mais de cem
não me resta um vintén

MENINOS DO TREM

pede moleque
pé de moleque
mas me pede tanto que...

sábado, 3 de maio de 2008

NAQUELE SONHO

existem pistas, vestigios...
restigios de um pedaço.
cadarço sem começo
nem um meio pra amarrar.
início de um vazio,
meio fio de um vício.
apenas um início
a ponta aberta do fio.
navegar nesse escuro
escudo de água
mágoa de um rio,
arrepio que brota
e aborta a nascente
de crescente pavor.

segunda-feira, 28 de abril de 2008

MASTRA TE

mastra te de aparecer
mastra te de me ligar
mastra te de me escrever
só não trate de me esquecer

segunda-feira, 14 de abril de 2008

sábado, 5 de abril de 2008

SOBRE A ARTE DA AUTODESCONSTRUÇÃO

quebro
requebro

conquebro
transquebro

construquebro
desconstruquebro

desconstruquebrando
construquebrando

transquebrando
conquebrando

requebrando
quebrando

te quebro
e me
que
br
o


IN CONSEQUÊNCIA OU SOBRE ARIANOS

seqüência com seqüência,
conseqüência.
conseqüência com seqüência,
in seqüência.
in seqüência de conseqüência,
inconseqüência.

quinta-feira, 3 de abril de 2008

SOBRE HOJE

e aqui estamos nós
sem as cascas
somente nós

quarta-feira, 2 de abril de 2008

SOBRE CANCERIANOS

cancerianos = câncer + ânus
isso quer dizer que
cancerianos são um cu!

terça-feira, 1 de abril de 2008

SOBRE ONTEM

pra ter caráter
o cara tem que
cara ter

domingo, 30 de março de 2008

tantas boquinhas
tantas carinhas
mas tantas frescurinhas!

sábado, 29 de março de 2008

O PROBLEMA É

dizeres e dizeres
prazeres e prazeres
palavras e palavras
as vezes a toa, as vezes largadas

sentimentos e sentimentos
sofrimentos e sofrimentos
pessoas e pessoas
as vezes más, as vezes boas

o problema é que tudo se mescla
o problema é que tudo se funde
o problema é que tudo se confunde
o problema é que tudo me confunde

o problema é que é
o problema é que ainda é

quarta-feira, 26 de março de 2008

A PISCINA NÃO É AQUECIDA!

M: ...é fato
Z: também é fato
M: é feto, artefato
Z: não, é afeto mesmo

terça-feira, 25 de março de 2008


tua boneca
hora sapeca
hora e meia peteca

.sissy.
Fotografia de
P.Costa.

segunda-feira, 24 de março de 2008

AOS MEUS AMIGOS

tem o amigo de balada
tem o amigo de não fazer nada
tem o amigo de jogar pelada
tem o amigo só de feijoada

tem o amigo do peito
tem o amigo que te deixa sem jeito
tem o amigo suspeito
tem o amigo quase que perfeito

tem amigo que é cagão
tem amigo que banca o gostosão
tem amigo que só dá bafão
tem amigo que perde a noção

tem amigo que a gente adora
tem amigo que só chora
tem amigo que vai embora
tem amigo que fala: simbora

tem amigo que é pra dançar
tem amigo que é pra trepar
tem amigo que é pra irritar
tem amigo que é pra abraçar

tenho enfim tantos amigos
uns novos, outros antigos
mas que mesmo longe
sempre estão comigo

quinta-feira, 20 de março de 2008

ENS....

transpiro

respiro
me inspiro
suspiro
...
espirro!!!!

(não tem borracha)

quarta-feira, 19 de março de 2008

1/2 1/3 OU 1/4

saiba que isso tudo é mesmo uma grande merda!
é sim uma raivinha que me atropela e me deixa sangrando assim largada ao meio fio de minha futil existência. é uma incerteza frizante e voraz que me alimenta e me envenena a cada passo teu, a cada sinal de vida teu. é também saliva anciosa a derreter nos dentes serrados que me pressionam como alicate toda vez que me vens a maldita memória. é um quê de frio quando penso no fogo de teu abraço. é também esfregar os olhos incansávelmente num movimento tão circular que tem hora que pareço querer arrancá-los de mim para que nunca mais eu possa te ver.
é exatamente assim, uma grande merda!

QUASE

quase que deixei
quase que passou
quase aconteceu
quase me beijou

quase apareceu
quase suspeitei
quase sussurrou
quase que amei

quase se afundou
quase se acabou
quase que eu fiquei
quase que eu chorei

quase que quase duvidei
que no fundo dos teus olhos
um amor um dia eu sonhei

quinta-feira, 13 de março de 2008

só mesmo o chão para uma nova paixão.

sábado, 8 de março de 2008

MG

e quando você tem vontade de gritar?
e quando você tem vontade de morrer?
e quando você tem vontade de esmagar?
e quando você tem vontade de fuder?


e quando você tem vontade de brigar,
de ensurdecer, de falar, de fazer
de bater, de chorar, de morder, de calar
se desfazer, se arrancar, se doer, se humilhar
dissolver, acabar, perder, ignorar


vontade de esquecer
de apaziguar
de adormecer
de não voltar


e se encolher
se afundar
adoecer
chafurdar
padecer


até passar

domingo, 2 de março de 2008

FORTALEZA

ilesa
forte
e tal
tão forte
tão ilesa
tão tal
quanto o mar
quanto o sal
quanto o sol
e quanto sol!

sábado, 23 de fevereiro de 2008

ESPECTADOR

o espectador
desperta a dor.
uma esperta dor
como um apontador.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

MEU AMIGO ZÉ


Nesses dias de chuva, estava eu fuçando num velho caderninho de lembranças. Achei uma coisa q me fez lembrar de momentos muito bons de 2005 acho. Para quem nao sabe, eu tenho um amigo mto maluco, o Zé (quem é q nao tem um amigo chamado Zé?). Mas o Zé é do tipo inteligente e musical, não um maluco qualquer. Para encurtar o causo, conto a vocês que neste dia em que estavamos eu e o Zé em sua antiga casa que depois de alguns meses eu passei a habita-la, depois de muita conversa deliciosamente jogada fora, eu disse assim baixinho:

OI ZÉ, TUDO BEM COM VOCÊ?

Como eu já disse a vocês, o Zé é um malucointeligentementemusical, então ele achou um tanto quanto estranho o que eu disse. E respondeu

O INSETO DO BAICON

Não! Tivemos que registrar porque sabiamos que aquilo...bom aquilo foi idiota, mas foi maravilhoso! Tão maravilhoso quanto as inacreditáveis e inimagináveis sementes do sitio de seu avô acho, que ele um dia me mostrou.

Ai Zé quanta falta você e suas maluquices me fazem......

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

TANTO MAIS FAZ A MAIS OU SIMPLESMENTE NADA. Uma lembrança de Arnaldo Antunes e do meu querido amigo Zé

Nada mais.
Nada a mais.
Tanto faz...


Tanto faz
nada a mais.
Nada mais.


Nada mais
tanto faz.
Nada a mais.


Mas se tanto faz
o nada mais,
nao há nada a mais.
Ou seria nada demais?
Oras...
tanto faz!

SOBRE ESTAR SOZINHO - Flávio Gigovate

(retirado do blog lemininskata)


Não é apenas o avanço tecnológico que marcou o inicio deste milênio. As relações afetivas também estão passando por profundas transformações e revolucionando o conceito de amor.O que se busca hoje é uma relação compatível com os tempos modernos, na qual exista individualidade, respeito, alegria e prazer de estar junto, e não mais uma relação de dependência, em que um responsabiliza o outro pelo seu bem-estar.


A idéia de uma pessoa ser o remédio para nossa felicidade, que nasceu com o romantismo está fadada a desaparecer neste início de século.O amor romântico parte da premissa de que somos uma fração e precisamos encontrar nossa outra metade para nos sentirmos completos.Muitas vezes ocorre até um processo de despersonalização que, historicamente, tem atingido mais a mulher.Ela abandona suas características, para se amalgamar ao projeto masculino.


A teoria da ligação entre opostos também vem dessa raiz: o outro tem de saber fazer o que eu não sei.Se sou manso, ele deve ser agressivo, e assim por diante.Uma idéia prática de sobrevivência, e pouco romântica, por sinal.A palavra de ordem deste século é parceria. Estamos trocando o amor de necessidade, pelo amor de desejo. Eu gosto e desejo a companhia, mas não preciso, o que é muito diferente.


Com o avanço tecnológico, que exige mais tempo individual, as pessoas estão perdendo o pavor de ficar sozinhas, e aprendendo a conviver melhor consigo mesmas.Elas estão começando a perceber que se sentem fração, mas são inteiras.O outro, com o qual se estabelece um elo, também se sente uma fração. Não é príncipe ou salvador de coisa nenhuma. É apenas um companheiro de viagem.O homem é um animal que vai mudando o mundo, e depois tem de ir se reciclando, para se adaptar ao mundo que fabricou.


Estamos entrando na era da individualidade, o que não tem nada a ver com egoísmo. O egoísta não tem energia própria; ele se alimenta da energia que vem do outro, seja ela financeira ou moral.A nova forma de amor, ou mais amor, tem nova feição e significado. Visa à aproximação de dois inteiros, e não a união de duas metades.E ela só é possível para aqueles que conseguirem trabalhar sua individualidade. Quanto mais o indivíduo for competente para viver sozinho, mais preparado estará para uma boa relação afetiva.A solidão é boa, ficar sozinho não é vergonhoso.Ao contrário, dá dignidade à pessoa.


As boas relações afetivas são ótimas, são muito parecidas com o ficar sozinho, ninguém exige nada de ninguém e ambos crescem.Relações de dominação e de concessões exageradas são coisas do século passado. Cada cérebro é único. Nosso modo de pensar e agir não serve de referência para avaliar ninguém.


Muitas vezes, pensamos que o outro é nossa alma gêmea e, na verdade, o que fizemos foi inventá-lo ao nosso gosto.Todas as pessoas deveriam ficar sozinhas de vez em quando, para estabelecer um diálogo interno e descobrir sua força pessoal.Na solidão, o indivíduo entende que a harmonia e a paz de espírito só podem ser encontradas dentro dele mesmo, e não a partir do outro.Ao perceber isso, ele se torna menos crítico e mais compreensivo quanto às diferenças, respeitando a maneira de ser de cada um.O amor de duas pessoas inteiras é bem mais saudável. Nesse tipo de ligação, há o aconchego, o prazer da companhia e o respeito pelo ser amado.Nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem de aprender a perdoar a si mesmo!...


PS: Caso tenha ficado curioso em saber o significado de SAWABONA, é um cumprimento usado no sul da África e quer dizer:"EU TE RESPEITO, EU TE VALORIZO, VOCÊ É IMPORTANTE PRA MIM".Em resposta as pessoas dizem "SHIKOBA", que é:"ENTÃO, EU EXISTO PRA VOCÊ".

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

MODINHA, DE ADÉLIA PRADO

video

QUE VOCÊ GOSTOU

Anseio
Seio
Passeio


Anseio
Passeio
Seio


Passeio
Seio
Anseio


Receio
Receio
Receio

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

ESTILHAÇO EM FRUTA-COR



Penso que tudo foi mesmo como uma bolha de sabão.
Encantadora, leve flutuava de azul, verde, amarelo, rosa,
violeta, cereja, laranja, limão.
Com uma sutíl elegância emanando poéticamente em prosa,
eram cores que tilintavam , ou melhor,
cores que sussurravam em alusão.
Vivendo de pequenos sopros, por fraqueza ou força maior,
a bolha que antes dançava não desce ao chão,
estilhaça sua beleza no que há de pior
ao sopro de uma verde ilusão.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

LEMBRANÇAS DO AUDAZ NAVEGANTE DE G. ROSA

"agora eu sei mais; o ovo só se parece, mesmo, é com o espeto."

"suas meninas-dos-olhos brincavam com bonecas"

"Zito, tubarão é desvairado, ou é explícito, ou demagogo?"

"Ciganinha lia um livro; para ler ela não precisava virar página".

"O Audaz Navegante, que foi descobrir os outros lugares valetudinário. Ele foi num navio, também, falcatruas. Foi de sozinho. Os lugares eram longe, e o mar. O Audaz Navegante estava com saudade, antes, da mãe dele, dos irmãos, do pai. Ele não chorava. Ele precisava respectivo de ir."

"Zito põe um moeda. Ciganinha, um grampo. Pele, um chicle. Brejeirinha – um cuspinho, é o seu estilo. "

"deu um pulo onipotente...Agarrou, de longe a moça, em seus braços...Então, pronto [...] Agora, acabou-se, mesmo: eu escrevi – "Fim".

“sonhava ir-se embora, teatral”

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

LUA ADVERSA


Tenho fases, como a lua

Fases de andar escondida, fases de vir para a rua...

Perdição da minha vida! Perdição da vida minha!

Tenho fases de ser tua, tenho outras de ser sozinha

Fases que vão e que vêm, no secreto calendário

que um astrólogo arbitrário inventou para meu uso.

E roda a melancolia seu interminável fuso!

Não me encontro com ninguém

(tenho fases, como a lua...)

No dia de alguém ser meu

não é dia de eu ser sua...

E, quando chega esse dia,

o outro desapareceu...



Cecília Meireles
Fotografia de Mara Braga

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

AS ROSAS AMARELAS DE UM PASSADO CARNAVAL


Sambando lentamente num céu amarelo de um lindo sábado de carnaval, assisto ao momentâneo interminável desfile de imensas nuvens carregadas de finos cristalinos confetes que, por um segundo me tomam o corpo de uma suave brisa molhada.

Embreagando-me num único gole desta volátil dose amarelada, preencho meus ouvidos e meus olhos com a tua lembrança. Nessas horas, Jorge já me diz que "as rosas eram todas amarelas". Enquanto isso, meu amado Noel ainda insiste na sua fita.

Que pena.....ja passou

sábado, 2 de fevereiro de 2008

OLHINHOS PUERIS


O que dizes tu, cheio de mentiras, sobre estes meus olhos?

Olhos meus que refletem em ti tudo aquilo que cantamos, tudo aquilo que sentimos, tudo aquilo que, com uma gentil delicadeza, um dia passamos. São estes sim meus olhinhos pueris que agora se abrem para ver novas paisagens, paisagens as quais talvez nem sejam tão belas quanto as tuas, mas que definitivamente não me enganam e nem se confundem mais nestes verdes dos teus olhos.

São estes sim meus olhinhos pueris que um dia você roubou.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

AH FIA....

afia a faca.
a faca fia!
fia, oia a faca
afia fia
afia a faca!

sábado, 26 de janeiro de 2008

A VACACAVA





A VACA
A VACA
A VACA
A VACA
A VACA
A VACA
A VACA
A VACA
A VACA
A VACA

CAVA?

UMA VEZ EM LONDRINA

Um homem perguntou a outro homem barbudo se quando ele dormia sua longa
barba ficava fora ou dentro do cobertor. Ele sem resposta disse que não sabia ao
certo. A partir de então, nunca mais conseguiu dormir, até que cortou a barba.

UM CURVO TRAJETO

A Joaninha vai subindo o morro.
Devagar vai percebendo o terreno que de tao volumoso faz uma curva
(afinal de contas é um morro)
Mas ela continua seu trajeto incansavelmente
sobe mais, vira a direita
segue reto, desce pela esquerda
Pára. Anda. Gira...gira...
-Cuidado!!!!
Trombou na costura e caiu no bolso